monarquiaja

Just another WordPress.com site

Arquivo para o mês “janeiro, 2013”

11) A corrupção política nasceu na Monarquia.

Mentira. A corrupção política sempre existiu em todos os tempos, inclusive na época da Monarquia. A diferença é que na época da monarquia ela estava “sob controle” e hoje ela é a regra da república. Tomou conta de tudo.
A melhor pessoa para falar de corrupção no Brasil é Ruy Barbosa. Mas por que Ruy Barbosa? Porque ele nasceu e cresceu durante o Império do Brasil. Sob a influência da Igreja Positivista do Brasil, ele se tornou republicano. Ajudou, inclusive, o Marechal Deodoro da Fonseca a dar o golpe. Mas 2 anos depois, Ruy Barbosa mostrou-se arrependido e passou a defender o regime monárquico. Por quê? Porque ele viu que a república, apesar das boas intenções, não funciona na prática.
Eis as palavras do Grande Ruy Barbosa:
”De tanto ver triunfar as nulidades,
de tanto ver prosperar a desonra,
de tanto ver crescer a injustiça,
de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus,
o homem chega a desanimar da virtude,
a rir-se da honra,
a ter vergonha de ser honesto.”
(Ruy Barbosa, em discurso no Senado, 1914 e fundador da Liga da Defesa Nacional)

“Ao governo pessoal do imperador, contra o qual tanto nos batemos, sucedeu hoje o governo pessoal do presidente da república, requintado num caráter incomparavelmente mais grave: governo pessoal de mandões, de chefes de partido; governo absoluto, sem responsabilidade, arbitrário em toda a extensão da palavra […], negação completa de todas as idéias que pregamos, os que nos vimos envolvidos na organização desse regímen e que trabalhamos com tanta sinceridade para organizá-lo.”
(Senado Federal. Rio de Janeiro, DF (Obras Completas de Rui Barbosa. V. 41, t. 1, 1914. p. 219)

“O regime constitucional na Monarquia, tinha, entre nós, dois largos pulmões, o parlamento e a imprensa, por onde a vida nacional se oxigenava livremente. O nome do Senado não desdizia, ali, das tradições da majestade antiga, não repugnava as grandezas consulares da casa de Cícero e Catão. A tribuna legislativa era gloriosa arena, onde as idéias e as virtudes se batiam pelas aspirações da honra e do civismo.
(…) Outros tempos desbancaram o ranço dessas futilidades. As belezas do presidencialismo brasileiro escorraçaram dos augustos laboratórios da legislação republicana o talento, a eloqüência e a verdade, baixaram, da legislatura em legislatura, naqueles recintos consagrados à caricatura da soberania nacional, o nível da capacidade e do decoro, da independência e da respeitabilidade, poluíram a vida parlamentar de chagas inconfessáveis, de segredos tenebrosos, de pústulas vergonhosas e másculas sem nome.”
(Obras Completas de Rui Barbosa. V. 46, t. 1, 1919. p. 21)
“A República tem vivido de leis pessoais, de reações pessoais, de atos pessoais do Poder Executivo e do Poder Legislativo. […] E a responsabilidade dessa atitude, o hábito de não prever as eventualidades previsíveis do dia de amanhã, tem sido a desgraça, a ruína e a miséria da situação.“
(Senado Federal. Rio de Janeiro, DF (Obras Completas de Rui Barbosa. V. 20, t. 1, 1893. p. 176)
E claro, só para finalizar, eis as palavras proféticas de Machado de Assis:
“Quanto às minhas opiniões políticas, tenho duas, uma impossível, outra realizada. A impossível é a república de Platão. A realizada é o sistema representativo [a Monarquia]. É sobretudo como brasileiro que me agrada esta última opinião, e eu peço aos deuses (também creio nos deuses) que afastem do Brasil o sistema republicano porque esse dia seria o do nascimento da mais insolente aristocracia que o sol jamais alumiou…”
(Machado de Assis em crônica, 5 de março de 1867)

10) O povo escolheu a república no plebiscito de 1993.

Cédula do plebiscito de 1993: a própria cédula confundiu forma de estado com forma de governo. Observe como a questão estava centrada em “parlamentarismo” e “presidencialismo”. O tema monarquia era tratado em segundo plano quase como uma “questão trivial”. A cédula em si mesma já era tendenciosa e incentivava o eleitor a votar em “presidencialismo republicano” porque essa era a opção mais fácil de marcar na cédula.
Um dos principais argumentos dos republicanos é que o povo escolheu a república presidencialista em 1993 e que, portanto, a república teria sido legitimada pelo povo. Isso é mentira. O plebiscito de 1993 foi manipulado descaradamente e, portanto, não tem legitimidade. Leia o texto “Plebiscito de 1993: a farsa que não chocou o Brasil“, para maiores detalhes. Essa eu garanto que você não sabia.

9) A Monarquia favorece a religião católica.

Mentira. A monarquia no Brasil sempre foi laica e respeitou as diversas religiões. É verdade que o Brasil Império adotava a religião católica como a oficial, mas a maioria do povo era Católico e era tradição de época o Estado adotar uma fé oficial. Hoje a Espanha (monarquia) também adota a religião católica como oficial e nem por isso as pessoas são perseguidas lá por causa de religião.
Para se ter ideia, apesar de no séc. XIX ter sido moda os países perseguirem e matar judeus (Caso da Alemanha, por exemplo), aqui no Brasil Dom Pedro II tinha o maior respeito pelos Judeus, assim como os judeus o respeitava.
Já o atual governo republicano do Brasil, é amigo do presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad. Justamente ele que sempre aparece na TV prometendo “varrer Israel do mapa” e exterminar todos os judeus. Mahmoud Ahmadinejad é o símbolo vivo da intolerância religiosa no mundo.

8 ) A monarquia é contra o progresso e a industrialização.

Dom Pedro II: o último Imperador do Brasil. Revolucionou o ensino, a indústria e sistema de transporte. Lamentavelmente, os golpistas republicanos destruíram o trabalho do Imperador. Eles extinguiram o ensino público e gratuito, deixaram as ferrovias perecerem e afundaram o Brasil em crise econômica e corrupção política sem fim.
Mentira. Foi durante a monarquia que as mentes mais brilhantes do Brasil floresceram. Dentre elas, podemos dizer: Vital Brasil (Remédio contra picada de cobra), Santos Dumont (Avião, chuveiro, relógio de pulso e outros), Machado de Assis (Literatura), Ruy Barbosa (Direito), Marquês de Tamandaré (maior engenheiro da história mundial no séc. XIX). Aliás, Santos Dumont suicidou por causa do uso que a república deu as invenções dele…
Durante a Monarquia, o Brasil liderou 11 vezes seguidas a Feira Mundial da Indústria. Construiu mais de 16.000 km de estradas de Ferro. Era possível, inclusive, sair do Rio de Janeiro e ir à Manaus de trem. Já os republicanos deixaram as ferrovias se perderem e tornaram o Brasil num país agrário que depende de rodovias para tudo. Rodovia é uma forma cara, ineficiente e poluidora de transportar mercadorias e pessoas.
Dom Pedro II investiu em Louis Pasteur na França para os avanços da Biologia. Nem mesmo a república francesa acreditava em Louis Pasteur… Não preciso lembrar que Louis Pasteur revolucionou a biologia e a medicina modernas. E claro, se você pode estocar leite em caixinha na sua casa por vários dias sem estragar, agradeça Louis Pasteus e Dom Pedro II por isso.
As primeiras escolas para portadores de deficiência foram inauguradas por Dom Pedro II. Eram as primeiras do Mundo!!! Muito antes de do assunto “inclusão” virar moda na boca dos sociólogos, pedagogos e outros defensores dos “direitos humanos”.
A primeira Reserva Florestal do Mundo foi inaugurada por Dom Pedro II. Floresta do Tejuco. Ele recuperou uma área degradada pela Cafeicultura. Fez isso no séc. XIX muito antes do assunto meio ambiente virar moda.
A Própria Agência Aeroespacial Brasileira reconhece o imperador Dom Pedro II como um visionário. Leia o que a Agência diz no início do parágrafo terceiro:
“Mas poderíamos estar bem mais adiante. Afinal, o Brasil teve D. Pedro II, o imperador visionário, encantado pela tecnologia, e o inventor Santos Dummont, um dos pais da aviação.”
Mas a república no Brasil não deixou que crescêssemos. Com a república, o Brasil se tornou medíocre.

7) A monarquia era a favor da escravidão

Outra grande mentira. O imperador sempre foi a favor da liberdade dos escravos. Quem era contra, foram os Deputados (senhores de escravo). Eram tão contra que apoiaram o exército para derrubar o Rei tão logo a princesa Isabel aboliu a escravidão… Se os negros hoje são livres agradeçam à monarquia, se dependesse da república, eles ainda seriam escravos.
Tiradentes, considerado herói pela república Brasileira, queria que Minas Gerais se tornasse uma república independente do Reino de Portugal. E um de seus objetivos libertários era a manutenção da escravidão dos negros. Isso os livros de história não contam porque pega mal para um “herói da república”. Leia mais sobre Tiradentes, o picareta.
Leia: A Farsa de Sinhá Moça. Na Monarquia negros eram tratados como Iguais porque eramCONSIDERADOS IGUAIS.
A primeira coisa que Dom Pedro II fez ao adquirir a maioridade (com 14 anos) foi mandar libertar todos os 40 escravos que tinha recebido de herança para servir de exemplo para todos. Leia na Bibliografia dele e confira.

Dom Pedro II, reiteradamente, custeou faculdade para negros que ele considerava talentosos e inteligentes! E ele fez isso com o próprio dinheiro, não com o dinheiro do Estado.
Em contra-partida, Thomas Jefferson, republicano famoso nos EUA, ecreveu a “Constituição da Liberdade”, mas mantinha uma fazenda com 4.000 escravos!!! Que ironia!

6) república custa mais barato.

Argumento clássico dos republicanos é este: “é um absurdo sustentar com o dinheiro do povo uma família que ‘não faz nada’ “.
Essa é outra mentira dupla.
Primeiro: a família real é muito importante para a nação tanto do ponto de vista político, quanto econômico. Um exemplo é a Rainha Elisabeth. Constantemente ela conversa como os ministros e os representantes do povo sobre assuntos de interesse do Estado. Quando é preciso, a Rainha senta-se em seu trono na Câmara dos Lordes e executa seu papel de Soberana. Poranto é errado dizer que esta família “não faz nada”, que é “só decorativa”. A Rainha Elisabeth trabalha duro. Ela exerce a função de chefe de Estado.
Segundo: a monarquia é muito mais barata de se manter do que a presidência da república. Basta lembrar quea república no Brasil custa 5 vezes mais caro do que a suntuosa Monarquia Inglesa: a monarquia mais cara do planeta.

5) O presidente é mais acessível.

Esta é outra grande Mentira.
Fala-se da monarquia como “antipopular”, “esnobe” e etc. Mas fato é que D. Pedro II recebia em seu palácio qualquer um. Entenda-se “qualquer um mesmo”, independente de roupa “adequada”, sapato “adequado” e aparência adequada.
Qualquer um podia conversar diretamente com o imperador sem intermédio de assessores, sem ser “revistado” pela polícia como se fosse um “ladrão”. Isso é fato e está registrado historicamente no arquivo “Os Reis estavam ao alcance do Povo“, parte do livro histórico de Leon D. Beaugeste. A Volta ao Mundo da Nobreza.
Hoje, ninguém consegue falar com o presidente fora de época eleitoral, o presidente é incomunicável. Até os próprios ministros possuem dificuldade para falar com ele. O presidente não responde email, nem carta, nada. Quando se tem sorte, a resposta é escrita pela “assessoria” que assina em nome do presidente por chancela mecânica… enfim: o presidente nem toma conhecimento do que você gostaria de dizer para ele…
Tente ir ao palácio do planalto para falar com o presidente. Isso é impossível, o presidente é muito ocupado! (como se o rei não fosse). Até para entrar no Congresso Nacional, a “casa do povo”, será preciso terno e sapato social para os homens e roupa social e sapato para as mulheres! Caso contrário, você não poderá entrar lá. Ora! Quem é que esnoba? Só pode ser a república. Os fatos falam por si só.
A Rainha Elisabeth, quando anda de avião, usa o mesmo avião que você. Claro que ela se acomoda na primeira classe, mas o avião é o mesmo. Já o presidente tem o hábito de usar um avião particular. É o caso do presidente dos Estados Unidos e da Presidente Dilma que torrou 400 milhões no Aerodilma.
Faço-te um desafio: escreva duas cartas. Uma para o Presidente da República do Brasil, outra para o Rei Juan Carlos de Espanha. Você ficará espantado com a diferença de tratamento. E mais, um dia quando você for em Brasília, tente falar com o Presidente da República, você não vai conseguir falar, nem marcar hora. Outro dia, quando você for na Espanha, tente falar com o Rei Juan Carlos. Você pode não conseguir falar com o rei na hora que você quiser, mas conseguirá marcar um horário, bem diferente do tratamento que recebemos no Brasil pelo nosso próprio presidente.
O rei é muito mais acessível. Sempre foi mais acessível. Faça o teste. Veja o arquivo anexo: “Os Reis estavam ao alcance do Povo“.

4) Democracia. Respeito à vontade popular.

A Matadeira, peça de artilharia de grosso calibre, empregada pelo Exército Brasileiro em Canudos.
Os republicanos dizem que a república é mais democrática e respeita mais a vontade popular. Esta é a maior de todas as mentiras. A república no Brasil nasceu com um golpe militar que matou todos que se opuseram, inclusive o povo. Basta lembrar que o povo de Canudos foi massacrado pelas tropas republicanas porque o governo presidencial “suspeitou” que o povo queria restaurar a monarquia.
Nem mesmo na França, país considerado exemplar, quando 3,5 milhões de franceses foram para rua protestar contra a reforma da previdência, nem assim o governo recuou, apesar de 71% dos franceses terem se manifestado contra as medidas adotadas pelo governo. Isso mostra que a república não se importa com a vontade soberana do povo. O interesse político do presidente sempre vence. A república não respeita e nunca respeitou a vontade popular. Pelo contrário, a república usa o povo para legitimar os interesses de quem governa quando isso lhe convém.
Fala-se das monarquias como “ditatoriais” e “antidemocráticas”, mas isso é uma mentira. Clique aqui e veja quais são os países mais democráticos do mundo. Sim! 70% deles são monarquias!

3) Liberdade. Na república, os republicanos dizem que os homens são mais livres e iguais.

Isso é mentira. Todas as ditaduras brasileiras ocorreram no PERÍODO REPUBLICANO. E todas as ditaduras atuais são REPÚBLICAS. O Nazismo alemão era um movimento republicano. E o fascismo Italiano, outro movimento totalitário, ficou famoso por derrubar a monarquia na Itália para instaurar a república fascista naquele país.
Só para lembrar a ex URSS (União das REPÚBLICAS Socialistas soviéticas) eram repúblicas! A república sempre andou de mão dada com o totalitarismo
Para se ter ideia, todas as ditaduras atuais são repúblicas.Clique aqui e veja a lista completa.

2) Hereditariedade é um privilégio que torna os homens desiguais.

Hereditariedade: ela existe nas monarquias em benefício do povo. Não em benefício da pessoa do rei, como os republicanos dizem.
Esse é outro argumento falso dos republicanos. Segundo ele, como o Rei é substituído pelo filho isso torna os demais súditos “desiguais”. É mentira, o rei, como qualquer outro, está sujeito às leis e às punições da lei. A monarquia é hereditária não em benefício do rei, mas em benefício do povo. Se um novo rei sempre fosse eleito quando o Rei anterior morresse, o país ficaria sujeito aos ricos e poderosos que, certamente, manipulariam as eleições para eleger o candidato deles.
Nesse caso, o rei DEVERIA FAVORES e, certamente, SERIA PARCIAL para tomar decisões. Além disso, se um novo rei fosse eleito sempre quando o anterior morresse, o rei atual não agiria como Rei, mas como um presidente de longo mandato. Enfim, em tal situação, ele faria o possível para usurpar o patrimônio público, pois, afinal de contas, um dia ele sairia dali… Percebeu? Sem a hereditariedade tão criticada pelos republicanos, o chefe de Estado fica tendido a usar a máquina pública para se enriquecer enquanto pode. Já no sistema hereditário, isso não faz sentido, pois fazer isso equivale a “roubar de si mesmo”.
A maior vantagem do sistema Monárquico hereditário é que o REI NÃO ESTÁ A VENDA, ELE É IMPARCIAL. Pelo fato da monarquia ser hereditária, o país tem condições de planejar em longo prazo. O Rei pensa o país não para a próxima eleição (caso da república), ele pensa para toda uma vida e pós vida. Pensa para os filhos, pensa para os netos. Não é a toa que os projetos de longo prazo realizam-se com mais sucesso nas Monarquias do que nas repúblicas! É o caso da Dinamarca.

No Brasil, todas as ditaduras ocorreram no período republicano. Prova de que a república é inimiga das liberdades civis e da democracia. Além disso, a república é mãe de três males que arrasaram o séc. XX, a saber: socialismo, nazismo e fascismo. Enfim: a república é inimiga da liberdade.

Navegação de Posts